23 de julho de 2024

Estudantes do ensino público do Amapá competirão em evento científico nos EUA 

Projetos dos alunos que englobam desde questões sociais até a biodiversidade amazônica, foram selecionados para concorrer a prêmios em feira de ciências estadunidense
Foto: Isabela Pereira/G1
Foto: Isabela Pereira/G1

Dois jovens amapaenses foram selecionados para representar o Brasil em um evento científico internacional de grande prestígio, a Genius Olympiad. Miguel Nascimento, 16, de Macapá, e Ana Beatriz Benjamin, 15, de Santana, apresentarão seus projetos inovadores no evento que ocorrerá entre os dias 10 e 14 de junho em Rochester, Nova Iorque, Estados Unidos.

Professor Aldeni Melo orientou Ana Beatriz e Miguel até a seleção dos projetos que estão aptos a concorrer a prêmios significativos na vida dos alunos. Foto Isabela Pereira/G1

Os projetos foram desenvolvidos sob a orientação do professor Aldeni Melo, no laboratório científico da tradicional Escola Estadual Irmã Santina Rioli, no bairro do Trem, em Macapá. Melo tem trabalhado com Miguel e Ana Beatriz desde que estavam no ensino fundamental II. Hoje, ambos estão no ensino médio, continuando suas pesquisas.

A seleção de Miguel e Ana Beatriz é um feito notável, considerando que entre os 7 mil projetos submetidos de 50 países, apenas 700 foram escolhidos para participar da Genius Olympiad. Os dois projetos amapaenses destacaram-se por sua inovação e relevância social.

Ana Beatriz desenvolveu um projeto (vide foto) que pretende resolver o problema da escassez de água em comunidades necessitadas do Amapá, como os Distritos do Bailique e da Vila do Sucuriju, no município de Amapá. A pesquisa propõe um sistema para fornecer água potável a locais que não possuem acesso adequado a recursos hídricos seguros.

Foto: Isabela Pereira/G1
Foto: Isabela Pereira/G1

O fenômeno da salinização, que vem preocupando pesquisadores e o poder público, que está acontecendo nos dois distritos, é um processo natural que ocorre quando as águas salgadas do oceano invadem cursos de água doce. Na Vila do Sucuriju e nas comunidades do Bailique, esse fenômeno é evidente devido à influência direta do Oceano Atlântico no Rio Amazonas. Como resultado, a água destas duas regiões se transforma em salobra, tornando-se inadequada para o consumo humano. A jovem acredita que sua solução pode beneficiar não apenas essas comunidades, mas também outras regiões do Brasil, que poderão enfrentar desafios hídricos futuros.

Miguel Nascimento, por sua vez, criou um promissor sistema de flutuabilidade aquática para a limpeza de rios e lagos, utilizando embarcações sustentáveis equipadas com agentes orgânicos da moringa oleifera, uma semente natural capaz de coagular e purificar a água. Este projeto, além de inédito, é ambientalmente sustentável, utilizando recursos disponíveis na própria região amazônica.

Foto: Isabela Pereira/G1
Foto: Isabela Pereira/G1

A oportunidade de apresentar seus projetos em um evento de tal magnitude é um marco significativo na vida desses jovens cientistas amapaenses. Miguel e Ana Beatriz não só têm a chance de ver seus sonhos se realizarem, mas também de representar com orgulho suas comunidades, seu estado e seu país em uma das maiores feiras de ciências do mundo. Essa conquista reflete o esforço conjunto dos alunos, do professor Aldeni Melo e das famílias envolvidas, destacando a importância de acreditar e investir na educação científica desde cedo. 

SOBRE A OLIMPÍADA DE GÊNIOS

A Genius Olympiad é uma competição internacional que foca em projetos de estudantes do ensino médio relacionados a questões ambientais. Fundada e organizada pela Terra Science and Education, a competição é sediada pelo Rochester Institute of Technology (RIT), em Nova Iorque. Diversas categorias são abrangidas na GO, incluindo ciências, engenharia, arte, curta-metragem, música, escrita criativa, robótica e negócios, todas com ênfase em soluções inovadoras para problemas ambientais. Ana Beatriz e Miguel estão selecionados para a categoria Ciências.

AVALIAÇÕES E PREMIAÇÕES

Medalhas de ouro, prata e bronze da Genius Olympiad. Foto: Divulgação

Os projetos são avaliados com base na criatividade, relevância para questões ambientais, estrutura, estilo e impressão geral. Os prêmios incluem medalhas (Ouro, Prata, Bronze) e Menções Honrosas. Cada categoria de medalha corresponde a uma bolsa de estudos renovável no Rochester Institute of Technology (RIT), variando de US$ 10,000 a US$ 20,000 por ano para estudantes internacionais.

Prêmios especiais incluem o Prêmio de Supervisor GENIUS, o Prêmio da Escola com Mais Inscrições e o Prêmio da Escola Mais Bem-Sucedida.

A Genius Olympiad não só oferece uma plataforma para estudantes mostrarem suas soluções inovadoras, mas também proporciona significativas oportunidades educacionais e profissionais através de bolsas de estudo e exposição a uma rede global de indivíduos com ideias semelhantes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política de Privacidade

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar o conteúdo. Mais detalhes na Política de Cookies em nossa Política de Privacidade.