23 de julho de 2024

Caso LEANDRO ABREU

Polícia Civil indicia policiais militares por 2 homicídios consumados, 1 homicídio tentado e fraude processual.

A Polícia Civil do Amapá concluiu nessa segunda-feira (23), o inquérito do chamado “caso Leandro Abreu”, presidente do Sindicato dos Taxistas do Estado (Sintax), morto em intervenção policial que terminou com morte de outras três pessoas que estavam em um veículo abordado pela PM em junho deste ano, na Zona Sul da capital.

A POLÍCIA INDICIOU OS QUATRO POLICIAIS QUE PARTICIPARAM DA INTERVENÇÃO POLICIAL

Além de Leandro, outras três pessoas estavam no veículo, uma delas que usava tornozeleira eletrônica, também morreu. Um menor de idade também foi atingido e levado ao Hospital de Emergências (HE).

O delegado Leonardo Leite, titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Pessoa (Decipe), informou que os policiais foram indiciados pelos crimes de homicídio simples, tentativa de homicídio simples e fraude processual.

“Em vários momentos foi possível apontar contradições nos depoimentos dos policiais. Ouvimos a guarnição responsável pela ação e testemunhas”, destacou o delegado.

De acordo com o Cento Integrado de Operações em Segurança Pública do Amapá (CIODES), durante a abordagem ao veículo uma pessoa desceu com as mãos para o alto e outra com uma das mãos na cintura e que teria pegado na arma. Ainda segundo o Ciodes, um revolver foi encontrado dentro do veículo.

Uma das pessoas que estaria armada era Leandro, que tinha registro de Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CAC).

FRAUDE PROCESSUAL

A segunda arma, segundo o inquérito da Polícia Civil, teria sido incrementada na cena do crime:

“Foi levantado durante as investigações que o revólver apresentado no Ciosp do Pacoval foi incrementado na cena do crime como forma de justificar a legítima defesa”, afirmou Leonardo Leite.

Para o advogado Marlon Melo, “tal atitude configura que os policiais possivelmente foram pegar o revólver calibre 38, para justificar a legítima defesa, sendo que as vítimas, Leandro de Souza e Milton Bonifácio Ramos, nunca chegaram a disparar qualquer tiro contra a guarnição”. Leandro de Sousa Abreu sofreu 07 tiros morrendo no local e a outra vítima que também morreu no local sofreu 08 tiros.

Populares relataram Através das redes sociais que os ocupantes do veículo não teriam reagido e teriam saído do carro com as mãos levantadas.

Em programa de rádio advogados de acusação exibem vídeos do momento da ação policial:

O inquérito policial foi encaminhado ao Ministério Público do Amapá para as devidas providências.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política de Privacidade

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar o conteúdo. Mais detalhes na Política de Cookies em nossa Política de Privacidade.