23 de julho de 2024

Covid: Sinal de Alerta no Amapá

Diminui interesse na procura por vacinas no Amapá; contágio por Covid-19 cresce.

Em um universo calculado pelo Ministério da Saúde em 90%, para a cobertura vacinal em todos os grupos, até o fechamento desta matéria, inquietantes 70% (Covid-19) e 16% (gripe) fazem parte da realidade imunizante amapaense.

As estatísticas, da Superintendência de Vigilância em Saúde do Amapá (SVS), transparecem um preocupante e diminuído interesse da população, essencialmente a prioritária, no caso para a gripe, que são crianças acima de 6 meses e abaixo de 6 anos, idosos a partir de 60 anos, grávidas e puérperas. E para a Covid-19, que se constituem, além do grupo de prioridade para a influenza, imunocomprometidos, trabalhadores da saúde e educação, pessoas com comorbidades, com deficiência permanente, privadas de liberdade, funcionários do sistema de privação da liberdade, em situação de rua, e, ainda, indígenas, ribeirinhos e quilombolas.

A suscetibilidade em adquirir quadros gripais mais graves, além do contágio por coronavírus, com a ausência deste esquema vacinal, é amplamente superior. E é nisto que se centra a preocupação das autoridades sanitárias pela visível baixa na procura aos postos de vacinação.

Casos de Covid-19 elevados, ainda que bem abaixo da pandemia

Em declaração à Reuters, a diretora interina de preparação para epidemias e pandemias da Organização Mundial da Saúde (OMS), Maria Van Kerkhove, sustentou que as taxas de vacinação, tanto contra a gripe, quanto contra a Covid-19, em diversos países, como o Brasil e, consequentemente, o Amapá, estão “incrivelmente baixas”.

Globalmente, a OMS informou, no último dia 05, que a nova variante do vírus, JN.1, no período entre 20 de novembro e 17 de dezembro de 2023, acometeu 850 mil pessoas, em uma elevação de contaminação que chegou a 52%. A OMS ainda destacou que 3 mil óbitos ocorreram, com um porcentual de 8% de crescimento em mortes.

Logo na primeira semana de 2024, no Amapá, até o último dia 11, ainda segundo a Superintendência em Vigilância em Saúde, já foram contabilizados 589 casos, com grande parte das pessoas em tratamento domiciliar. Sete crianças e um adulto tiveram que recorrer à internação em hospitais privados e públicos.

O órgão ainda garante que há um contundente controle “e que o Governo do Amapá continua acompanhando a evolução do vírus, isso nunca parou”, reforçou a secretária de saúde, Silvana Vedovelli. A gestora ainda ressalta que o envio de imunizantes, não somente para Covid-19, mas também contra a gripe, continua efetivado nos 16 municípios, conscientizando, também, que a vacinação é o único meio seguro para conter as doenças.

Em vídeo publicado nas redes sociais, Bala Rocha (@balarocha), prefeito de Santana, alerta à população do segundo maior município do Estado do Amapá, para a importância da vacinação:

Serviços:

Os espaços de vacinação em Macapá estão disponibilizados ao público, nas Unidades Básicas de Saúde, de segunda a sexta-feira, no horário entre 8h e 17h:

Com informações do portal de notícias do Governo do Amapá.

Matéria escrita por: Raul Mareco – Graduado em Comunicação Social, com ênfase em Jornalismo

Uma resposta

  1. O que eu acho pai d’egua é o funcionamento das UBS. Pô, quem precisar depois das 17h, no sábado e domingo, tá ferrado, pq as UBS estarão fechadas. Ô Amapá!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política de Privacidade

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar o conteúdo. Mais detalhes na Política de Cookies em nossa Política de Privacidade.