15 de julho de 2024

Santos pede e justiça comum determina afastamento da Diretoria e Conselho Fiscal da FAF

O pedido que o Santos Futebol Clube apresentou à Justiça comum pretende anular eleição realizada há dois anos com chapa única.

A juíza Alaíde Maria de Paula, da 4ª  Vara Cível e de Fazenda Pública de Macapá, deferiu nesta quarta-feira, 17, TUTELA PROVISÓRIA DE URGÊNCIA para determinar o imediato afastamento da diretoria e conselho fiscal da Federação Amapaense de Futebol (FAF):

Determino que se oficie o Presidente do Tribunal de Justiça Desportiva do Estado do Amapá para que, no prazo de 48 horas, indique uma comissão composta por três dos membros daquele tribunal para responder pela Federação de Futebol do Amapá e conduzir novo processo eleitoral que deverá ocorrer no prazo máximo de 45 dias. As indicações deverão vir acompanhadas de currículo e meios de contato atualizados. Nomeio ainda o Presidente do Tribunal de Justiça Desportivo Arthur Silva Lobo como interventor até a conclusão do processo eleitoral da nova diretoria da Federação Amapaense de Futebol – FAF”.

ENTENDA OS FATOS

O Santos Futebol Clube, do Amapá (@santosamapafc), entrou com uma ação, na 4ª Vara Cível e de Fazenda Pública de Macapá, ou seja, na Justiça comum, contra a atual gestão da Federação Amapaense de Futebol (FAF), presidida por Netto Góes, para anular a sua eleição realizada já há dois anos. E é este tempo, além de outros fatores, que vem causando espécie na comunidade desportiva.

No ensejo, o clube ainda solicitou à juíza Alaíde Maria de Paula o afastamento de toda a Diretoria, assim como de seu Conselho Fiscal. A magistrada deferiu o pedido que é uma reconsideração de uma decisão anterior que já havia sido proferida desfavoravelmente ao clube amapaense.

CLUBE SE CONTRADIZ

O que causa demasiada estranheza neste conjunto acusatório é que o próprio Santos não se opôs oficialmente à candidatura da atual gestão, que consagrou a chapa encabeçada por Roberto Góes em 2022, então candidato. Netto Góes, na ocasião, era vice de Roberto.

Outros fatos bastante controversos relacionados ao clube é que o mesmo participou, efetivamente, sob a administração atual da FAF, de competições e, ainda, foi agraciado com recursos públicos provenientes de políticas de fomento ao futebol.

A Federação entrará com um pedido de recurso para que a decisão da juíza Alaíde seja revista, já que o Santos, sem explicação que aceite uma mínima razoabilidade, ora apoia a FAF, ora judicializa a própria iniciativa de apoio à atual gestão, além das benesses que obteve sob a guarida da FAF.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política de Privacidade

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar o conteúdo. Mais detalhes na Política de Cookies em nossa Política de Privacidade.