23 de julho de 2024

Exploração de Petróleo no Amapá

Foto: Netto Lacerda/GEA
Foto: Netto Lacerda/GEA

Governo do Estado e Assembleia Legislativa participaram de seminário sobre transição energética no Brasil, promovido pelo BNDES e Petrobras, no Rio de Janeiro.

Ao lado da presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Amapá Alyne Serrão e de alguns parlamentares estaduais, o governador do Amapá, Clécio Luís, integrou nessa quarta-feira, 11, os debates sobre as possibilidades para a transição energética no Brasil. Com a intenção de exploração de petróleo e gás natural na costa Norte do país, o Governo do Estado foi convidado para demonstrar a importância do negócio para o desenvolvimento econômico e social, para impulsionar o uso de fontes renováveis de energia.

Foto: Netto Lacerda/GEA
Foto: Netto Lacerda/GEA

Promovido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e pela Petrobras, no Rio de Janeiro, o seminário, “Caminhos para Transição Energética Justa no Brasil” destacou diferentes perspectivas sobre a produção de energia no país.

Foto: Netto Lacerda/GEA
Foto: Netto Lacerda/GEA

“Nós queremos aproximar os indicadores sociais e econômicos ruins do Amapá, aos melhores índices ambientais”, destaca governador Clécio Luís ao defender exploração de petróleo.

A participação do Amapá no seminário posiciona o Estado politicamente em relação ao petróleo e gás, produzido com segurança ambiental e técnica em todas as etapas.

“Uma oportunidade muito boa para o Amapá marcar presença, falar sobre as suas condições, suas características, sobre a necessidade de que esses projetos se concretizem, porque é bom para o Brasil e muito bom para o Amapá. Vai ser um novo ciclo econômico que nós vamos ter no Estado, com muito investimento, aprendizado, com inovações, e nós temos de fazer isso acontecer”, afirmou Jotávio Borges, secretário de Mineração.

A convite do governador, a presidente da Assembleia Legislativa do Amapá (ALAP), deputada estadual Alliny Serrão, acompanhou os debates e ressaltou a importância de envolver os três poderes nas discussões dessa atividade.

“A fala do governador foi muito precisa, sempre em defesa do Amapá e também buscando diminuir a desigualdade dentro do nosso estado. Nós sabemos o momento que enfrentamos, que é muito desafiador, mas tenho certeza que o Estado só tem a ganhar com essa participação efetiva nessa questão que levará o Amapá ao desenvolvimento socioeconômico”, disse a presidente da Alap.

O deputado estadual Rodolfo Vale completou a comitiva do Amapá presente no evento do Rio de Janeiro.

“O debate sobre a transição energética no Brasil é fundamental, precisa ser feito. O Brasil precisa decidir o modelo e os caminhos a percorrer para a efetiva transição. E a exploração da Margem Equatorial também faz parte desse caminho. A exploração precisa acontecer com segurança energética. E o povo do Amapá merece esse investimento como um presente para o desenvolvimento”, comentou o deputado.

Foto: Netto Lacerda/GEA
Foto: Netto Lacerda/GEA

O projeto de exploração nas águas profundas do Amapá, na região chamada de Margem Equatorial, existe desde 2013, quando a Agência Nacional do Petróleo (ANP) leiloou 142 blocos no litoral brasileiro. A operação fez concessão de bacias de novas fronteiras tecnológicas com o objetivo de ampliar as reservas do país, arrecadando R$ 2,48 bilhões em bônus de assinatura.

Para realizar a atividade, a Petrobras, que recebeu a participação em 5 blocos que foram arrematados pela empresa Total E&P, tenta checar se, de fato, há petróleo suficiente na costa do Amapá, a 540 quilômetros de distância da Foz do Rio Amazonas. O projeto vem sendo chamado de “novo pré-sal” e a região vai até o Rio Grande do Norte.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política de Privacidade

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar o conteúdo. Mais detalhes na Política de Cookies em nossa Política de Privacidade.